segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

espero que não reconheças a minha ausência. espero que entendas que a melhor forma de te fazer feliz é deixar-me ir. espero, acima de tudo, que me compreendas e saibas avaliar a minha decisão: no nosso enleio atámos demasiados nós. quiseste cortá-los, mas peguei na tesoura e não quis mais ver o nosso caminho, onde sempre tropeçámos. quando me levantaste e eu tropecei por nós os dois. desculpa, meu amor, se o vento me leva. quero que saibas que nunca te deixarei; eu vou estar presente onde não me conseguires ver. eu rendo-me a quem me vier buscar. morte, estou à tua espera.

prometo, eu prometo-te que serás mais feliz assim.

6 comentários:

  1. gostei sobretudo da forma como o texto foi escrito e sentido. continua :)

    ResponderEliminar
  2. ninguém será mais feliz assim Rita, NINGUÉM!
    e tu sabes bem isso: queres-te convencer de que não é assim, mas sabes bem que te estás a enganar!

    ResponderEliminar
  3. Adorei cada palavra...e' de uma profundidade imensa que nos arrepia a pele por ser demasiado verdade :$

    ^^

    ResponderEliminar
  4. Olá :)

    Gostei muito de ler!

    Beijinhos
    Susana R.

    ResponderEliminar
  5. Como bna canção " a mação " de Raul Seixas, amor só dura em liberdade.
    prova maior que deixar o amado ir não há

    ResponderEliminar

deixa tu também letras soltas no caminho