terça-feira, 29 de março de 2011

quarta-feira, 23 de março de 2011

Néaltrú # 4

Mau humor latente. Espírito demente. Alma de crente.
Tento, luto e resisto. Mas às vezes também desisto. Sou fraca por natureza, mas aos olhos de todos pareço uma fortaleza.
Alma de c[a]rente. Espírito errante. Sou passageiro e sou tripulante.
Navego em mar alto, sem remos nem âncora. Sou bússola estragada numa nota desafinada. Ando sem mapa, desorientada.
Passageiro e tripulante, num mar errante. Crente. Demente!
Ando por trilhos e por becos. Labirintos submersos. Atiro-me de arranha céus, sem partir nem estilhaçar. Pedra que não precisa de amolar. Dou-me aos pobres e dou tudo o que tenho. Despidos de alma, estranhos.
Sou tripulante, sou navegador. Sou barco sem remos com falhas no motor. Sou andorinha sem asas, lutador fracassado nas batalhas.
Estilhaços, pedaços de pó. Coração de porcelana que na ponta deu um nó.
Sou tripulante, âncora atirada ao [m]ar. Sou navegador proibido de caminhar. Sou a raiz quadrada numa equação impossível, linha torta acertada com nível. Bússola errante, partida. Carta fora do baralho, perdida!
Corpos no chão, resquícios da batalha que passou. Sou tudo e do tudo nada sou.



[16-02-2011]

terça-feira, 22 de março de 2011

Pouca coisa ficou por dizer. E de tão pouca tornou-se imensa. Os dias passam e a minha esperança no teu regresso morreu e eu morri por dentro também, uma parte de mim foi embora contigo com a tua fuga incompreensível. Pergunto-me se alguma vez foste sincero e sei que a resposta é sim embora, por vezes, eu pense que não. Tu não existes mas eu fazia-te existir, porque tu me pediste para ficar contigo, porque tu me beijaste os lábios, disseste que me amas e cinco minutos depois me viraste costas, disseste um ''até já'' que se tornou um ''adeus''. Tu nunca mo explicaste, deixaste a carta em aberto , amarrando-me e sem eu saber, fugindo. Estás com outra desde o dia em que me disseste que ias voltar, que me amavas, que só andavas um estúpido comigo. Estás com outra e não dizes que me esqueceste. Há dias esperava uma mensagem tua , uma mensagem que não existiu porque o meu número já não é o teu destinatário, e o teu não é o meu. No fundo, eu sei que é impossível me teres esquecido em horas, dois anos de relação. Dois anos de vivências genuínas e perpétuas.
Abri a janela, está na hora de ires embora.
Adeus.

domingo, 20 de março de 2011

As memórias, essas,  permanecerão comigo para sempre. Tu, infelizmente, não.

sábado, 19 de março de 2011

Intrigam-me os pensamentos, as motivações e as expectativas de cada um dos detentores dos corpos sedentos de prazer que passam pelos meus lençóis na tentativa de se satisfazerem carnalmente. Não me consigo abstrair do que sentem de cada vez que pensam conseguir possuir o mais profundo de mim, de cada vez que em poucos gestos atingem o que para eles é um apogeu de sensações e para mim é só a satisfação de mais uma necessidade inerente a pobre raça humana. Tento ser eu a penetrar-lhes a alma, deles que para mim não passam de meros prostitutos gratuitos, e de forma brusca tento entender o que lhes dizem as sinapses, se não é mais do que o roçar de dois corpos na busca incessante de prazer ou se os gemidos que lhes saem da boca querem dizer mais do que isso. Não me canso de procurar a resposta, é isto a celebração de algo ou apenas o atingir de um simples orgasmo?

never-never,

Never say goodbye
because saying goodbye
means going away
and going away
means forgetting.



Peter Pan

sexta-feira, 18 de março de 2011


Eu sempre gostei de desvendar o impossível.
Talvez esteja na altura de te dizer adeus. Nunca me ensinaste a dizer adeus ao amor, talvez seja por isso, que nunca foste capaz de me dizer ''esqueci-te'' e me abraçaste.

P.s: Tu sabes.

quinta-feira, 17 de março de 2011

terça-feira, 15 de março de 2011

deixei de sentir saudades tuas para passar a sentir saudades minhas.

segunda-feira, 14 de março de 2011

há detalhes que ficam e que (me) enchem o coração.

Ela sorria para a senhora que servia croissants e disparatava, enquanto esperavam o lanche. Ele estava de casaco preto, imitação de pele, barba por fazer e um sorriso de encantar. Ela, com saliências na cara de uma vida repleta de inocência e virtude, sorriu e olhou-o com um ar de menina encantada. Abriu o casaco pelo fecho e consertou-lhe a camisola. Ele, meio embaraçado, olhou para baixo, franziu a sobrancelha e sorriu timidamente. Ela fechou-lhe o casaco e beijou-lhe rapidamente os lábios, como quem toca numa flor só para sentir o tacto. O lanche estava pronto e já tinha tocado. Saíram ao seu ritmo, já com um atraso de alguns minutos, e saborearam-no, entre gargalhadas e uma cumplicidade que só quem assiste é que percebe.

E foi assim, às 10h30, num dos meus intervalos - a cena mais bonita deste dia.
Gostava que o dia em que acordasse sem pensar em ti fosse já amanhã.

dream a little dream of me,

Todas as crianças crescem, excepto uma. Rapidamente percebem que hão-de crescer, e foi do seguinte modo que Wendy percebeu: um dia, a brincar no jardim, colheu mais uma flor e correu com ela para junto da mãe. Imagino que devia estar linda de se ver, porque a Sra. Darling levou a mão ao peito e exclamou: «Oh, porque é que não podes ficar assim para sempre!». Nada mais disseram uma à outra sobre o assunto, mas daí em diante Wendy soube que teria que crescer. A partir dos dois anos sabe-se sempre. Os dois anos são o princípio do fim.
J.M. Barrie, Peter Pan

domingo, 13 de março de 2011

Eu sei que estás aí, mesmo que digas que não amor. A tua partida não teve jeito de ser, e eu sei que num breve amanhecer, talvez voltes a entrar em casa.

sábado, 12 de março de 2011

Se soubesses as saudades que tenho tuas, tinhas tido forças para ficar.
Todos os que seguiam o blog http://skinnyletter.blogspot.com estarão agora a seguir: http://vagariesoflove.blogspot.com/

até já..

quinta-feira, 10 de março de 2011

Gostava de te dizer as tantas palavras que me estão entaladas no coração sem ter que te magoar, gostava de o saber fazer. Eu sei que só me queres proteger e impedir-me de cometer os erros que tu já cometeste, mas tens de me deixar viver, tens de me deixar aprender com os meus próprios erros, não tens o direito de dizer por quê ou por quem é que eu devo chorar ou não. Deixa-me viver, a vida é como jogar às escondidas, quando somos crianças, no inicio, é muito giro ser copinho de leite, até que percebes que é como se não jogasses porque ninguém vem à tua procura. Eu sei que te custa, por vezes, ver o meu mundo a cair, mas eu hei-de aprender.

hey love,

Às vezes é preciso saber dizer chega.
É isso, chega, acho que já chega de sonhar.

(I'm such a beautiful mess.)

quarta-feira, 9 de março de 2011

Das coisas mais bonitas.

Quando uma pessoa absolutamente linda não faz ideia que o é, e nós decidimos que queremos passar o resto da nossa vida a fazê-la acreditar. É.



Todos temos tendência a ver e a valorizar coisas menos importantes
em detrimento de outras que nos fariam muito mais felizes.
Cegos ou simplesmente estúpidos?




terça-feira, 8 de março de 2011

dei por mim assim,

Já vos contei que me prometeram uma infinidade de amanhãs
e que depois mos adiaram por tempo indeterminado?
será que quem se ausenta consegue sentir a dor de quem fica ?


Hoje é dia de ir jantar fora.
Estamos a 8 de Março, dia em que se "comemora" a mulher. Ou deverei dizer, dia em que a mulher se comemora. A minha mãe fá-lo há alguns anos. A maioria das mulheres que conheço fazem-no. Mas o dia de hoje não é apenas dessas mulheres. É de todas as outras que não o podem viver de forma diferente porque não lhes sobrou nada para o almoço de hoje e nem se lembram que 8 de Março é um dia pensado para elas. É daquelas que não conhecem a liberdade. É de todas as que não conseguem respirar sem serem ameaças por alguem que, supostamente, as ama.


A quem se orgulha de ser mulher emancipada, de ver o mundo da forma que quer, de dizer o que bem lhe apetece, bem a essas dou os meus parabéns. Hoje é o dia em que olham para trás e vêem tudo o que ganharam ao longo dos anos e, - assim espero -, é o dia em que pensam que ainda há muito para fazer.
A todas as outras, desejo que um dia o possam o sentir. E que lutem. Porque mulher que é mulher nunca deixa de lutar.

caso de estudo

Ainda não vi uma ponta de amor este ano! Só vejo pessoas atarefadas com exames, notas, frequências... As saídas não dão para muito porque está tudo cansado. E onde está a paixão? Nem que seja por nós próprios ou pela vida..! Esta é a diferença entre este ano e 2009/10, pelo menos para mim. Estava apaixonada e até podia estar a fazer a coisa errada, mas andava estupidamente feliz e motivada.
E é só isto. Até logo, vou estudar.

domingo, 6 de março de 2011

what would you do if you stumbled in your dream, but, by then, you were with someone else?

sexta-feira, 4 de março de 2011

quarta-feira, 2 de março de 2011

http://www.historiadodia.pt
Porque às vezes esquecemo-nos da importância de contar histórias. Dessas fantasias partilhadas, desses pedaços de amor oferecidos. Peço-vos que não se esqueçam. Que não deixem morrer a criança que ainda brinca dentro da vossa alma.



"Pedem tanto a quem ama:
pedem o amor. Ainda pedem
a solidão e a loucura."