segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Aos corações.


Seguem-se portanto as pertinentes horas que antecedem as epopeias ao amor romântico. Coisas planeadas, esquematizadas em papel milimétrico para que nada fuja de controlo não vá o amor decair por aí abaixo por causa de uma celebração mal feita. Uma perda de tempo, de energia. Uma perda de amor. Uma canseira de planos, esgotante falta de liberdade, falta de tudo. Uma entrega de cento e muitos por centro ao amor da minha vida desse meretriz catorze de Fevereiro. A cegueira desmedida pelo tentar agradar exponencialmente à cara-metade do momento, as expectativas. No final, o amor de verdade deve ter ficado noutra gaveta, traçado a tinta permanente, sem direito a corrector e com erros pelo meio, mal planeado e, ainda assim, levado a bom porto.

4 comentários:

deixa tu também letras soltas no caminho