domingo, 24 de outubro de 2010

Já não o fazes.

Quando vês que estás em risco iminente de me perder, reages. Rapida e agilmente, como sempre fazes. Com subtileza não tão subtil assim. De maneira precisa, eficaz. Voltas e obrigas-me a ficar também, presa à nossa forma distorcida de amor.


12 comentários:

deixa tu também letras soltas no caminho