sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Eu não sou escritor.

Tenho a paixão. A ânsia de te rever de novo em frente aos meus olhos. Deslumbrante como sempre. O sonho, de me tornar imortal, sem o viver para sempre.  Tarefa excitante e demorada. Não posso abrir as asas e voar para o topo onde estão todos os outros. Adorar ter cada letra, em cada célula no meu corpo. Ter cada lágrima no canto do olho, cada palavra na parte de trás de um livro. Ter sucesso e não ser famoso. Oh, mas nada sou. Nada devo ter que me ponha num pulo onde a paixão das letras nos leva. Não mereço porque, não escrevo nada de mais, nada que me torne único e especial.

Eu, não sou, um escritor. Sou apenas uma pessoa, sem coração, que o enche de palavras, faz com que ganhe forma e personalidade, sem realmente ele existir. São faíscas que o ligam. O amor, é só mais uma forma de o por a trabalhar. Deixo-o a viver nos prados do fundo da casa. Faço-o ser assim. Existe, mas desabita este mundo real. Como invento sentimentos, são apenas esses que ele sente.  

Eu não sou apenas um escritor...

4 comentários:

  1. gostei, subscrevo o que disse a nés (:

    ResponderEliminar
  2. Porque é que me sinto assim como tu??
    Porque afirmas que não és escritor? Que inventas sentimentos? Para tal, precisas de sensibilidade, que muitos não a possuem, mas tu possuis. Usa-a porque és escritor. Tu SABES SENTIR. xD

    ResponderEliminar

deixa tu também letras soltas no caminho