terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

meu amor.

tenho na mão uma rosa e nos lábios um beijo para te dar
e toco à campainha.
oiço, lá dentro, ecoar o som estridente que faz seguido de um silêncio.
silêncio de não haver passos em direcção à porta nem risos de alegria.

quebra-se o silêncio com o vento e o bater da porta das traseiras.

ligo-te e dizes que não estás em casa.

ouvi a tua voz dizê-lo na rua de trás mais alto do que no auscultador.


(porque me foges, meu amor?)


Aproveito para deixar a sugestão de visitarem um blogue novo acerca da Língua Portuguesa para o qual quem quiser pode colaborar:
http://seasletrasfalassem.blogspot.com

9 comentários:

  1. é complicado não é? :/
    força também!

    ResponderEliminar
  2. Se as respostas nos aparecessem, sempre que colocamos as perguntas. Se tudo fosse menos complicado e mais claro. Seriamos todos mais felizes. Força (:

    ResponderEliminar
  3. ai ai ai, este post é do domínio ficcional (:

    ResponderEliminar
  4. Quando comentei não pensei nisso. Mas agora com o teu comment percebi que tens razão até porque. Tem que haver sempre algo, alguma coisa que nos faça definir objectivos...fins. Afinal é na falta de respostas e na indefinição que esta uma parte das coisas. Como no mundo, na natureza, universo e ate na definição de alguns sentimentos. (:

    ResponderEliminar
  5. Tanta emoção num post tão pequeno. Está lindo :) Boa sorte.

    ResponderEliminar
  6. Não deixa de ser um lindo texto, e algo que pode acontecer no mundo real... =) **

    ResponderEliminar
  7. "ouvi a tua voz dizê-lo na rua de trás mais alto do que no auscultador." - adorei *.*

    ResponderEliminar

deixa tu também letras soltas no caminho